terça-feira, 14 de maio de 2013

Pontos corridos é a melhor fórmula?

Muito já se falou sobre esse assunto: pontos corridos ou mata-mata? Alguns defendem a justiça dos pontos corridos, por premiar a equipe com mais regular, e outros defendem o mata-mata, justamente por ser além de mais emocionante, dar uma igualdade de chances maior a todos os clubes que participam do campeonato. Porém, esses pontos não são os únicos a serem analisados, existem várias outras ponderações a serem colocadas para discussão, e refletidas por todos nós.

Para começar, no Brasil em especial existem dois fatores determinantes que no meu entender vão contra a "justiça" dos pontos corridos: a responsabilidade financeira das clubes, e a distribuição de receitas entre os mesmos.

Se analisarmos a responsabilidade financeira dos clubes, vemos que vários deles estão praticamente quebrados, e ainda assim contratam elencos caríssimos. É o caso dos clubes cariocas, os líderes em dívidas, e ainda assim possuem folhas de pagamento pesadíssimas, completamente desproporcionais às receitas por eles obtidas. Existem outros exemplos pelo Brasil, como o Atlético MG, Palmeiras, que acumulam déficits acumulados enormes nos últimos anos. 

E com relação à distribuição de receitas, vamos usar como exemplo o acordo de patrocínio entre o Coritiba e a Caixa. O contrato firmado na semana passada estipula um repasse de R$ 6 milhões no prazo de um ano, recorde para o clube. Porém, o acordo do banco estatal com o Corinthians prevê um repasse 5 vezes maior, ou seja, de R$ 30 milhões anuais. Só levando em consideração esse ponto, já se vê que a condição de competição em pé de igualdade entre os dois clubes é praticamente nula, ainda mais no sistema de pontos corridos, que exige elenco numeroso e qualificado. Ainda sou um entusiasta em acreditar que é possível enfrentar os gigantes, mas confesso que minha ilusão vem se diluindo no tempo.

Agora, pergunto a você que me lê: acha que existe condições de um clube com responsabilidade financeira, que investe somente aquilo que recebe, e que busca manter o nível de endividamento estável, enfrentar os grandes devedores nacionais e disputar uma competição longa como a de pontos corridos?

Fica para reflexão.

SAV

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget